Comunidade

Comunidade Nossa Senhora Aparecida Rua Nova Era ,135-Nossa Senhora Aparecida

A Comunidade de Base Nossa Senhora Aparecida foi fundada aproximadamente no ano de 1968, pelo Padre João Batista Gomes Neto. As primeiras reuniões foram realizadas em um prédio provisório, onde funciona hoje a Escola Estadual Louis Ensch. As primeiras festas foram realizadas neste local. Também ali foi eleita a primeira Diretoria da Comunidade, conforme registra a Ata de Fundação: Divino Teixeira da Silva, Presidente; Raimundo Balbino Alves, Secretário; José Dias, Tesoureiro; Maurílio Ribeiro de Souza, Diretor Social; Geraldo Augusto, Sebastião Ribeiro e Vicente da Cunha Prado, Conselheiros fiscais; e Pedro Vítor Luzia, Coordenador. Os moradores também costumavam reunir-se nas próprias casas: rezava-se o terço, lia-se um trecho do Evangelho, seguido de uma reflexão, passando-se depois à discussão de assuntos de interesse comunitário.


Naquela mesma época, por doação dos moradores Mário Moreira da Silva, Sebastião Magalhães e Dona Mariazinha (Maria Viana Lima), separou-se uma área para a construção da Igreja de Nossa Senhora Aparecida. Uma outra devota, viajando a parecida do Norte em romaria de agradecimento pela recuperação da filha vítima de grave acidente, de lá voltou com uma imagem que está na comunidade até hoje. Construiu-se, então, um Palanque de madeira onde a comunidade se reunia para rezar. Assim, em 12 de outubro de 1969, numa bela festa, foi levanta do um cruzeiro, abençoado pelo Padre Carlos Pimenta de Figueiredo. Ele benzeu a pedra fundamental e celebrou missa no local. Muitos fiéis estiveram presentes, além de representações de várias comunidades. A festa, organizada por José da Luz, teve o apoio da Comunidade de Base Nossa Senhora Aparecida bem como de muitas outras pessoas de boa vontade.


Com a chegada dos padres da Congregação do Imaculado Coração de Maria (CICM) – os padres belgas – responsáveis pela Paróquia a partir de 1973, o plano original de construção de uma igreja foi  m u d a d o  p a r a  C e n t r o Comunitário. Assim, sob a nova  Diretoria, presidida por José Ladislau Dias, que ficou no cargo de 1983 a 1992, construiu-se um cômodo de 44 metros quadrados, que foi utilizado para as reuniões das diversas pastorais. São dessa época as festas, procissões, leilões e até um Livro de Ouro para angariar recursos para a construção do Centro Comunitário. Na década de oitenta, funcionou no bairro o Grupo de Jovens JUNTAC (Juventude Unida Transmitindo Amor Cristão). O grupo promoveu Natal de Crianças Carentes, distribuiu cestas básicas e realizou promoções em prol do Centro Comunitário. A partir de 1994, com a expressiva doação de Santos Basílio da Costa, Expedito Quintão e Wilson Starling Júnior, foi possível levantar as paredes, pôr piso pobre em uma área enorme, murá-la, dotá-la de portões e dois banheiros. Foi uma época muito produtiva para a Pastoral Catequética que contou com o trabalho de Vicente da Cunha, Maria Luciene, Geralda Sabina, Aparecida e Orlando de Vasconcelos. Enquanto isso, multiplicavam-se promoções para angariar recursos: Campeonato de Truco e de Buraco,Almoço Dançante e Feijoada.


Sobrevieram, então, algumas dificuldades, conforme lamenta um morador em depoimento datado de 1996: “A história da comunidade hoje é muito triste. O Centro Comunitário foi arrombado várias vezes, perdemos aparelho de som, portões, panelões usados nas festas, portões e banheiros. A comunidade desanimou diante de tanto vandalismo e destruição”.


A história, entretanto, mudou muito. Com a chegada do Padre Aloísio em 1998, todo o  t r a b a l h o  f o i   r e a t i v a d o .

“Recomeçamos quase do zero. Hoje temos um salão de 150 metros quadrados, equipado com aparelho de som, onde fazemos nossas reuniões e participamos das celebrações. Temos um cantinho, com sacrário, para nossa oração e meditação interior.” – relata Murilo Carlos, que representa a comunidade junto ao CPP, juntamente com sua esposa Leni Maria Carlos.


Neste ano de 2009, a comunidade completou 40 anos com uma festa bonita, ocorrida no último de 12 de outubro, com procissão saindo do bairro em direção à Igreja do Sagrado Coração de Jesus, onde houve a missa. A comunidade continua em franco crescimento com os grupos em atividade: catequese, liturgia, adoração ao Santíssimo, missa aos primeiros domingos, com atuação dos ministérios da Eucaristia e da Palavra. É a semente do Reino de Deus que, lança da em terra boa, vira árvore frondosa.


FacebookWhatsAppTwitter