A missão de Jesus e a nossa missão de discípulo missionário

11 de fevereiro de 2019

A presença da Igreja na sociedade acontece de modo visível, capilar e consolidado por meio das paróquias e das comunidades eclesiais. Elas são importantes e indispensáveis instrumentos para a missão evangelizadora da Igreja. As paróquias são instaladas no território da diocese; a igreja-matriz, as capelas e outros equipamentos são edificados no território das paróquias. Os templos são, por excelência, lugar onde o povo de Deus se congrega e celebra sua vida e sua fé. Um bom encontro supõe a aproximação mútua, no gesto simultâneo de cada um sair do seu lugar e ir em direção do outro. A nossa Paróquia já está se preparando para os Mutirões Missionários para este ano, devemos  incentivar gestos de encontros concretos, sob a inspiração do Evangelho de Cristo que enviou seus discípulos a irem “a todos os lugares e aldeias onde ele próprio devia ir”. Toda nossa Paróquia é destinatária dos missionários que se propõem visitar as pessoas, para um momento de convívio fraterno e de partilha, tanto das “alegrias e esperanças”, como também das “tristezas e angústias”, como o Concílio Vaticano II nos ensinou a fazer.

O símbolo motivador de cada Mutirão Missionário deve constar nos pés que caminham, em gesto dinâmico da missão. Eles lembram as palavras da Escritura que dizem “como são belos os pés daqueles que anunciam boas notícias, portadoras de paz”. Movidos pelas circunstâncias especiais deste ano, nos sentimos todos envolvidos num ano missionário por excelência na Paróquia. Nada mais oportuno do que contar neste momento com uma mensagem de esperança, vinda Jesus o grande missionário do Pai que surpreendeu o mundo inteiro com seu testemunho de simplicidade e autenticidade evangélica. Anunciar a Boa-Nova, porém, não é dever nem privilégio de ninguém, antes que ela seja comunicada a todos  e  por todos.

“Todos somos chamados a esta nova “saída” missionária, insiste o Papa Francisco. Cada cristão e cada comunidade há de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar esta chamada: sair da própria comunidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho” (EG, 20). Portanto, cada um dos batizados é um sujeito ativo de evangelização. Ninguém renuncie ao seu compromisso de evangelização. Cada cristão é missionário na medida em que se encontrou com o amor de Deus em Cristo Jesus. Já “encontramos o Messias”? O que estamos esperando para “sair” de nós mesmos e levar a luz do Evangelho aos que precisam da luz?  “A única maneira para uma pessoa, uma família, uma sociedade crescer, a única maneira para fazer avançar a vida dos povos, é a cultura do encontro; uma cultura segundo a qual todos têm algo de bom para dar, e todos podem receber algo de bom”.

O início de um novo ano pastoral é propício para envolvermo-nos, comprometermo-nos e assumirmos com ardor e amor nossa missão eclesial, o que realmente é essencial e indispensável à missão da Igreja de Cristo: anunciar, celebrar, viver e testemunhar o Evangelho com alegria.

Convidamos todas as forças vivas da nossa Paróquia para os Mutirões Missionários celebrando um do Ano Missionário!  Confiante na resposta positiva de todos os grupos, pastorais, movimentos e serviços paroquiais organizados, é que pedimos por interseção da Virgem Maria que Deus nos guie neste santo propósito!

Padre Geraldo Reis e Padre Marco José

FacebookWhatsAppTwitter