Economia de Francisco: oportunidade para exercer o poder da caridade

19 de novembro de 2020

Maria Clara Magalhães e Henrique Sengès estão entre os participantes da “Economia de Francisco”, que dá hoje seu pontapé inicial. Duas experiências diferentes, de Recife e do Rio de Janeiro, que se unem ao apelo do Papa Francisco.
Bianca Fraccalvieri – Vatican News

Um “pacto” para mudar a economia atual e atribuir uma alma à economia de amanhã: com este intuito tem início hoje a “Economia de Francisco”.

Convocado pelo Pontífice em maio de 2019, o evento teve que ser reprogramado e remoldado com o advento da pandemia. Mas os meses de espera fizeram aumentar a expectativa para este encontro, que será virtual.

A abertura está marcada para esta tarde com uma mensagem em vídeo preparada pela juventude integrante do Movimento ATD Quarto Mundo sobre “Ouvir o grito dos mais pobres para transformar a terra”. Na sequência, haverá o discurso do prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Card. Peter Turkson.

A programação prossegue com uma conexão com o Santuário do Despojamento, em Assis, para um momento de espiritualidade e as conferências dos jovens economistas e empresários em diálogo com oradores internacionais.


Recife

Do Brasil, estarão conectados jovens de norte a sul do país, como é o caso de Maria Clara Magalhães, de Recife. Aos 24 anos, é formada em Engenharia elétrica (UFCG) e tem formação de Design de Futuros pelo Institute For The Future.

Ouça Maria Clara:


“Participar do Economy of Francesco está expandindo ainda mais meu horizonte empresarial, sendo possível aplicar à realidade brasileira e construir um futuro melhor, além de todos os muros e preconceitos aqui existentes. É uma realização ter a oportunidade de ressignificar muitas coisas para os jovens da minha geração, é muito importante. Minha expectativa é fazer o meu melhor sempre para promover um novo espaço de diálogo onde os seres humanos sejam colocados no centro e as ações sejam postas em prática o mais rápido possível. Além disso, quero sempre incentivar e inspirar novos jovens a fazerem pequenas revoluções diárias, buscando diminuir as desigualdades.”

Maria Clara Magalhães


Rio de Janeiro

Do Rio de Janeiro a contribuição vem de Henrique Sengès Coutinho Marques, pós-graduado em Comércio Exterior pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Bacharel em Administração pela mesma Universidade. É gestor de Inovação Social no Santuário Cristo Redentor.

Ouça Henrique:

“A pandemia acabou contribuindo para um pensamento mais maduro das propostas da Economia de Francisco através das 12 vilas temáticas, que tiveram mais tempo para discutir: foram centenas, milhares de horas de conversas, de reflexões acerca dos mais diferentes temas abordados, de modo que algumas propostas bem mais concretas pudessem ser mais elaboradas. Eu acredito que é justamente nos grandes desafios que se encontram as maiores oportunidades e esta aí uma oportunidade de exercemos o poder da caridade, do cuidado e da doação ao próximo.”

Henrique Senges

 

Fonte: Vatican News

 

FacebookWhatsAppTwitter